Cosan: impacto do dólar será compensado por exportação de açúcar

O fundador e presidente do Conselho de Administração do Grupo Cosan, Rubens Ometto, afirmou nesta segunda-feira, 24, que o impacto da valorização do dólar para as operações da empresa ´será compensado pelas exportações de açúcar´, que acabam rendendo mais quando convertidas em reais. A afirmação foi feita em rápida entrevista a jornalistas, após a cerimônia de abertura do 28º International Society of Sugar Cane Technologists (ISSCT), em São Paulo. Ele comentou que a alta do dólar será prejudicial às empresas que têm dívida na moeda norte-americana. No caso da Cosan, ´estamos equilibrados´, disse.

Com relação ao etanol, Ometto criticou a falta de competitividade frente à gasolina, cujos preços são controlados pelo governo. ´Tudo que é subsídio destrói a competitividade, cria artificialismos´, salientou.

O fundador do Grupo Cosan ressaltou, ainda, que o setor sucroalcooleiro mantém constante diálogo com o governo em busca de uma política energética definida para a área. ´Melhoramos do início do ano para cá, mas muita coisa ainda tem de ser feita. O governo tem suas limitações´, informou, referindo-se às medidas, como o reajuste da gasolina, em janeiro, e a redução da alíquota de PIS/Cofins sobre o etanol, em abril.

X