Cooperativas do Paraná criam a Coonagro

Responsáveis pela produção anual de 16 milhões de toneladas de produtos agrícolas – 10 milhões de toneladas de grãos e 6 milhões de cana-de-açúcar – as 21 maiores cooperativas paranaenses fundaram sexta-feira o Consórcio Nacional Cooperativo Agropecuário (Coonagro) que nasce para tentar quebrar o monopólio existente no mercado brasileiro de fertilizantes através de importação direta e compra conjunta. Com produção insuficiente e muito concentrada, o mercado é dominado pelas empresas Bünge, que detém o controle de seis das oito fábricas em operação no país, a Mosaic, da Cargill, e Yara. Essas três empresas controlam a Fosfertil, maior produtora nacional de fertilizantes.

“Este grupo, sozinho, é responsável pela aquisição anual de 1 milhão e 100 mil toneladas de fertilizantes, ou quase 60% do que é utilizado por todas as cooperativas paranaenses, o que lhe dá imenso poder de negociação e compra”, informou o presidente da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar), João Paulo Koslowski, que coordenou a criação do consórcio.

Altos volumes

“É necessária a redução de custos no setor porque há regiões do Paraná onde o preço do fertilizante já representa 32% do custo de produção de culturas como o milho, de 20% para a soja e de 22% nos custos de produção do trigo”, diz Koslowski Além de negociar compras em altos volumes, a Coonagro também pretende entrar no setor de produção de fertilizantes, concorrendo com as grandes empresas instaladas no país e numa possível parceria com a Petrobras.

As cooperativas que integram a Coonagro tem mais de 60 mil associados e faturam, juntas, perto de R$ 10 bilhões. No Paraná, a demanda total por fertilizantes vai subir de 3,42 milhões de toneladas em 2007 para 3,61 milhões de toneladas em 2008; no Brasil, o crescimento será de 24,61 milhões de toneladas, no ano passado, para 26 milhões de toneladas neste ano, segundo dados da Associação Nacional para Difusão de Adubos(Anda).

X