Conheça 10 processos para refino de açúcar usados pela LDC na China

Fachada da refinaria da LDC em Zhangzhou

O Grupo francês Louis Dryfous Company (LDC) atua no Brasil como controlador da Biosev, que 11 unidades agroindustriais em operação nos estados de São Paulo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba e Rio Grande do Norte, além de um terminal próprio no Porto de Santos (SP).

Em sua atuação global, o grupo iniciou seus trabalhos no mercado chinês de açúcar em 2000, posicionando a empresa como líder no comércio de açúcares cristal e branco,

 

Produzindo e exportando o açúcar bruto — para refino — do Brasil e da Tailândia, a LDC construiu uma refinaria em Zhangzhou, na província de Fujian.

A refinaria tem capacidade de armazenar 100.000 toneladas do adoçante. Pode processar até 500 toneladas de açúcar de Grau 1 todos os dias.

Confira a seguir 10 processos de refino em Zhangzhou:

1 – Do Porto à refinaria

O açúcar bruto chega por navio, principalmente do Brasil e da Tailândia, no Porto de Fujuan, a 1,5 km da fábrica. A partir daí, é conduzido por caminhões para a refinaria, onde é descarregado no armazém. Demora cerca de 10 dias para preencher o armazém, que tem uma capacidade de 60.000 toneladas.

2 – Da esteira a fusão

Uma correia transportadora leva o açúcar bruto à área de fusão, onde a água é adicionada e a mistura é aquecida a 80-85 graus celsius para liquefazer.

3 – Carbonização

Uma espécie de leite de lima é adicionado ao açúcar liquefeito e a mistura passa para as colunas de carbonização. O dióxido de carbono é borbulhado, juntando-se ao leite de lima para formar carbonato de cálcio. Isso atua como um agente de purificação, removendo impurezas do líquido carbonatado.

4 – Remoção de impurezas

Os filtros rotativos removem o carbonato de cálcio e as impurezas do açúcar liquefeito, deixando um licor limpo e filtrado. As partículas presas pelos filtros são colocadas na água, formando um sulco que é prensado através de um filtro de pressão para remover qualquer material suspenso. Enquanto os sólidos estão dispostos, o líquido restante – conhecido como água doce – é enviado de volta para a área de fusão. Lá é adicionado ao açúcar liquefeito para repetir o processo anterior.

5 – Descoloração

O licor límpido dos filtros rotativos passa por colunas de descoloração, atingindo o grau de brancura necessário para o açúcar refinado e de grau 1.

6 – Cristalização

Invisível a olho nu, minúsculos grãos de açúcar, são adicionados ao líquido descolorido, que é aquecido a 70 graus Celsius transformando-se em uma mistura densa de xarope e cristais de açúcar refinados e de grade 1.

7 – Centrifugação

Os cristais de açúcar bruto são então separados do xarope pela força centrífuga das máquinas giratórias chamadas centrífugas.

Secagem e resfriamento

Os cristais de açúcar bruto são secos em temperaturas de 85 graus Celsius, deixando-os a uma temperatura de cerca de 54 graus Celsius. Os grânulos de açúcar quente são arrefecidos até cerca de 30-35 graus Celsius, temperatura em que estão prontos para a embalagem.

9 – Qualidade final

Como um passo de controle de qualidade final, os cristais de açúcar são passados ​​através de um dispositivo para remover os cristais que são muito grandes ou pequenos.

10 – Embalagem e Entrega

Finalmente, os cristais de açúcar são embalados em sacos grandes e transportados para o armazém, prontos para entrega aos clientes. O açúcar refinado é vendido para comerciantes nacionais de açúcar e empresas multinacionais para produtos de consumo como refrigerantes, sucos, chocolate e doces.

Crédito das imagens: (Divulgação LDC Internacional)