CNI: acordo do Mercosul com Conselho do Golfo pode beneficiar o Brasil

As negociações de livre comércio entre o Mercosul e o Conselho de Cooperação do Golfo podem aumentar as exportações brasileiras para países como Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos.

Segundo o boletim Comércio Exterior em Perspectiva, divulgado nesta quinta-feira pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), há um número de setores e produtos, sobretudo de manufaturados, cujos valores de importação são expressivos e nos quais o Brasil tem pequena participação no mercado desses países.

Entre eles, estão os setores de frutas, borracha, calçados, cerâmica, alumínio, instrumentos mecânicos, veículos e até mobiliário médico-cirúrgico. O estudo da CNI destaca que esses produtos são candidatos à lista de redução de impostos de importação na Arábia Saudita e nos Emirados Árabes.

“Obter preferências comerciais significativas para esses produtos e setores deveria ser um dos objetivos das negociações bilaterais, sob a ótica brasileira, pois ajudaria a potencializar as vantagens comparativas das exportações do país frente a concorrentes agressivos como a China e a Índia”, diz o documento da CNI. A discussão sobre os produtos e a negociação de margens de preferências estão sendo elaborada por ambos os lados.

De acordo com o estudo da CNI, os países do Conselho do Golfo (Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Bahrein, Catar, Kuwait e Oman) importaram em conjunto US$ 125 bilhões em 2004 e têm se revelado mercados muito dinâmicos, com taxas de crescimento de importações superiores a 80%.

“Os maiores mercados do conselho são a Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos e as exportações brasileiras têm passado por transformações importantes”, diz o documento, segundo informa a página da CNI na internet.

O consultor da CNI, Pedro da Motta Veiga, destaca que a pauta de exportação do Brasil para os países é baseada principalmente em produtos básicos, como frango, carne bovina, além de minério de ferro e açúcar de cana. “Exportamos muito pouco em produtos manufaturados e não há constância de algum produto”, disse Veiga.

Hoje, a pauta de importações da Arábia Saudita está concentrada em 80% de produtos manufaturados e um dos maiores fornecedores é a União Européia.

O Mercosul firmou o Acordo-Quadro com o Conselho do Golfo durante a Cúpula América do Sul-Países Árabes, realizada em 10 e 11 de março de 2005, em Brasília. A expectativa é que as negociações para a liberalização do comércio entre os dois blocos econômicos sejam concluídas no final deste ano.

X