Clima dificulta produção de açúcar em SP e preço segue em alta

As chuvas no estado de São Paulo continuaram interrompendo a produção de açúcar cristal na última semana. Algumas usinas chegaram a paralisar a moagem por sete dias, enquanto outras afirmaram no final da semana passada que ainda não haviam conseguido produzir o cristal neste mês.

As unidades que retomaram a moagem a partir da quarta-feira, 8, quando a chuva cessou, produziram açúcar tipo VHP, destinado ao mercado externo.

Nesse cenário de baixa oferta, o preço do açúcar segue em alta no spot paulista. Na sexta-feira, 10, o Indicador Cepea/Esalq do açúcar cristal cor Icumsa entre 130 e 180, mercado paulista, fechou a R$ 82,59/saca de 50 kg, elevação de 4,54% em relação à sexta anterior, 3.

A fila para exportação no porto de Santos (SP) está grande e as dificuldades de escoamento também influenciam as altas no spot paulista. A menor produção em São Paulo, por sua vez, elevou a entrada de açúcar de Goiás no estado paulista, a quantidade de açúcar goiano entrando em São Paulo dobrou na última semana.

No mercado internacional, o Rabobank atualizou a estimativa de déficit global de açúcar de 6,8 milhões para 8,5 milhões de toneladas. A perspectiva de menor quantidade de açúcar continua influenciando as cotações externas.

De sexta a sexta, o contrato nº 11 de açúcar demerara (Julho/16) da Bolsa de Nova York (ICE Futures) teve alta de 5,07%, fechando a 19,70 centavos de dólar por libra-peso na sexta-feira. Em Londres (Euronext Liffe), o contrato de açúcar refinado com vencimento em Agosto/16 avançou 4,28% de sexta a sexta, fechando a semana a US$ 529,00/tonelada.

De 6 a 10 de junho, cálculos do Cepea mostram que as vendas externas remuneraram 3,22% a mais que as vendas de açúcar cristal no spot paulista.

Enquanto a média semanal do Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq foi de R$ 81,18/sc, as cotações do contrato nº 11 da ICE Futures, com vencimento em Julho/16, equivaleriam a R$ 83,79/sc. Para esse cálculo, foram consideradas as médias semanais de US$ 56,90/t de fobização, de US$ 84,61/t de prêmio de qualidade e de R$ 3,4274 de dólar.

O Indicador de Açúcar Cristal Esalq/BVMF, referente ao produto posto no porto de Santos ou com custos equivalentes, sem impostos, cor Icumsa máxima de 150, que inclui vendas domésticas e para exportação, aumentou 3,95% na semana, fechando a sexta-feira em R$ 82,38/saca 50 kg.

No mercado atacadista do estado de São Paulo, o Indicador de Cristal Empacotado fechou a R$ 9,1946/saca de 5 kg na sexta-feira, elevação de 3,67% sobre a sexta anterior. O açúcar refinado amorfo fechou a R$ 2,1189/saca de 1 kg, avanço de 1,38% no mesmo período.

No Nordeste, além da alta dos preços no Centro-Sul, as cotações avançaram influenciadas pela demanda aquecida, por estoques baixos e pela menor oferta.

No mercado de etanol, o Indicador semanal Cepea/Esalq do anidro combustível subiu 2% e o hidratado, 0,14% em relação à semana anterior. Frente ao açúcar cristal, que acumulou aumento de 4,54% entre as duas e sextas-feiras, cálculos do Cepea mostram que o açúcar remunerou 56,67% a mais que o anidro e 66,48% a mais que o hidratado.

Fonte: (Agência Estado)

X