Chuva intensa compromete safra em Pernambuco

Índice pluviométrico 40% maior em Pernambuco preocupa professor da UFRPE Jamille Coelho. Com as mudanças climáticas ocasionadas pelo aquecimento global, o período de chuva acabou se estendendo até o mês de outubro, o que não é comum acontecer, principalmente em Pernambuco, onde as chuvas ocorrem normalmente entre maio e agosto de cada ano.

De setembro a março, que deveria ser de estiagem, os agricultores se empenham na colheita das culturas e, quando a chuva cai de forma excessiva, o que ainda não é o caso, o prejuízo pode ser grande. De acordo com o professor de Agronomia Gerson Quirino Bastos, da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), caso aumentem as chuvas até o fim do ano, o andamento da safra da cana-de-açúcar poderá ficar comprometido.

Na região da Zona da Mata Norte e Sul de Pernambuco e na Região Metropolitana do Recife (RMR), existe a possibilidade de que as chuvas ocorram 40% a mais em relação à média do período. “Quem já colheu a cana, este mês, está na vantagem, porque pegou o período em que a sacarose da cana está alta e agora vai poder aproveitar o período que está úmido, embora não estivesse previsto, para a rebrotação da cana. Quando chove muito, a cana deixa de armazenar e, com isso, a cultura fica em fase vegetativa e acaba comprometendo a produtividade de açúcar por hectare”, explicou o professor.

Segundo Quirino, a safra anual em Pernambuco produz, no mínimo, 119 quilos de açúcar por tonelada e, se a estiagem prevalecer, esse número se mantém, caso contrário os resultados serão menores. “A vantagem nisso tudo é que, com a chuva, os produtores que colherem menos sacarose poderão ter, na próxima safra, maior produtividade por conta da umidade do solo”, concluiu Gerson Quirino Bastos.

Para o presidente do Sindicato da Indústria e do Álcool de Pernambuco (Sindaçúcar), Renato Cunha, a cana é uma cultura que precisa de sol e chuva alternadamente. “Até agora, as chuvas que estão caindo não está prejudicando a colheita, nem o Ponto Útil Industrial (PUI), então não temos um prejuízo instalado, mas devemos ficar atentos porque as alterações climáticas não dependem da gente”, afirmou Renato Cunha.

X