Chega de embrulhos!

img7164

De acordo com previsões do Anuário da Cana 2013, que acaba de ser lançado, confirmadas por outras centrais de pesquisas, incluindo as do próprio governo, em 2021/22 a produção brasileira de etanol terá que ser de no mínimo 70 bilhões de litros anuais.

É uma meta três vezes maior do que a produção atual e, pelo andar da carruagem, muito difícil de ser atingida. Especialmente neste momento, em que o setor sucroenergético se vê sem perspectivas de lucratividade e investimentos, pois de um lado suas receitas são limitadas pelos baixos preços do etanol e do açúcar e de outro pelos aumentos nos custos e exigências na produção.

Economicamente falando, o produtor brasileiro encontra-se num beco sem saída, pois não consegue fazer subir o preço do açúcar, pois qualquer aumento de produção derruba as cotações nas bolsas, e não consegue melhorar a remuneração do etanol, devido ao maquiado “congelamento” no preço da gasolina.

Ora, é notório que o setor não tem poder para mudar artificialmente as cotações nas bolsas e nem impedir os aumentos nos custos inerentes à produção. Mas pode e deve buscar corrigir esta anormalidade econômica em vigor na administração dos preços da gasolina.

Embora esta diretriz esteja prejudicando seriamente a Petrobras e um dos setores que mais contribuem para a geração de empregos e renda no Brasil, o fato é que o primeiro escalão do Governo Federal já nem disfarça o desinteresse pela questão e pelo etanol. No final das contas, quando liberam alguns incentivos, estes estão mais para embrulhos do que para pacotes.

Os políticos, à exceção de alguns declaradamente pró-setor como Mendes Thame e Arnaldo Jardim, entre poucos outros, evitam aparecer nos canaviais. Gostam mesmo é do primeiro plano das fotos em assuntos populistas. Por seu turno, o Governo Dilma continua insuflando o consumo em detrimento da produção, matando a indústria e a economia nacional.

E não adianta esperar algo diferente. Sem uma clara e forte manifestação pública dos produtores, o Governo não vai regulamentar o papel do etanol e da bioeletricidade de cana na matriz energética, assegurando-lhes uma competitividade futura.

Chega de embrulhos!

X