Captações da Petrobras e do BB derrubam dólar

A conclusão de mais duas operações de captação de recursos no mercado internacional fez o dólar fechar ontem em baixa de 0,76%, vendido a R$ 2,878.

As operações foram fechadas pela Petrobras e pelo Banco do Brasil. A petrolífera captou US$ 500 milhões em títulos com prazo de dez anos. O BB captou, por meio da emissão de eurobônus, o equivalente a US$ 170 milhões.

A entrada desses recursos no país nos próximos dias representa oferta extra de dólares no mercado e, consequentemente, menos pressão sobre o valor da moeda.

O dólar iniciou os negócios em alta de 0,50% e apenas começou a cair após os anúncios das novas captações. Ontem o Banco Central voltou a renovar mais uma parte da dívida cambial de US$ 2,5 bilhões que vence no dia 1º. Até o momento, o BC rolou cerca de 67% da dívida. Se o BC não ampliar o percentual de rolagem da dívida na segunda-feira, o mercado de câmbio pode ter um dia de negócios mais tenso.

Na semana, a moeda dos EUA recuou 0,42% diante do real.

De acordo com Rossano Maranhão, vice-presidente de negócios internacionais do Banco do Brasil, a previsão inicial da instituição era conseguir metade do que foi captado. “O apetite pelo Brasil está cada vez mais forte. Acredito que, no próximo semestre, estaremos captando mais e a um custo menor”, diz Maranhão.

Essa foi a quarta captação fechada pelo BB no ano. No total, a instituição conseguiu US$ 466 milhões com as operações. A emissão concluída ontem tem prazo de 12 meses e pagou taxa em torno de 4,62% ao ano. O banco deve retornar ao mercado europeu em meados de agosto.

Mais forte

As quedas do dólar e dos índices de inflação têm fortalecido o poder de compra do real nas últimas semanas. Estudo feito pela Economática mostra que o valor da Ptax (média do dólar medida pelo BC) deste mês, ajustado pelo IGP-DI, está nos mesmos níveis dos valores da Ptax do início de 2001. Isso significa que o poder aquisitivo do real hoje é praticamente o mesmo do começo de 2001.

X