Bunge fecha a compra do grupo Moema

A multinacional Bunge, uma das maiores companhias do agronegócio do planeta, assinou contrato de compra do Grupo Moema, consolidando sua participação no setor sucroalcooleiro. De acordo com fontes próximas à negociação, pelo acordo assinado, a Bunge teria adquirido as participações que o grupo Moema possui nas seis usinas que formam o conglomerado.

A compra inclui 100% da Usina Moema, 50% da Usina Vertente, 56% da Usina Frutal, 43,75% da Itapagipe, 40% da Guariroba e 50% da Ouro Oeste. A sede da empresa, a Usina Moema, fique em Orindiúva, no interior de São Paulo. O controle do Grupo Moema é dividido de forma homogênea entre os empresários Maurilio Biagi, Eduardo Junqueira e os herdeiros de Armando Junqueira.Com exceção da Usina Moema, que é totalmente controlada pelo Grupo Moema, a usina Frutal tem 44% de participação de acionistas minoritários, a Itapa! gipe tem 43,75% da Cargill e o restante de outros acionistas, e a Guariroba tem 30% da CFM e 30% da Húmus Participações. Já os 50% restantes da Ouro Oeste está nas mãos do grupo Grupo Arakaki e na Vertente a metade restante pertence a Húmus.

Com a aquisição, a Bunge passa a ter uma moagem de cana estimada em 13,5 milhões de toneladas, uma produção de 16,5 milhões de sacas de açúcar e de 637 milhões de litros de etanol por safra. Os principais motivos para a venda seria a divergência entre os sócios, além da dívida, estimada entre R$ 1 bilhão e R$ 1,5 bilhão pelas fontes do mercado.

A Bunge assinou contrato de compra do Grupo Moema, consolidando sua participação no setor sucroalcooleiro. Segundo fontes, a Bunge terá o controle de seis usinas do grupo.

X