Bunge agora é Bunge Açúcar & Bioenergia. Conheça 8 informações sobre a empresa

A americana Bunge criou a subsidiária Bunge Açúcar e Bioenergia para gerir os ativos sucroenergéticos. A multinacional também protocolou pedido na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para estrear a subsidiária na B3 (antiga Bolsa de Valores de São Paulo).

Conheça 10 informações sobre a Bunge Açúcar e Bioenergia apuradas junto a própria empresa.

1

Líder em moagem 

É uma das companhias líderes na produção de etanol, açúcar e bioenergia no Brasil, em termos de capacidade de moagem. Possui oito usinas estrategicamente localizadas nas regiões Sudeste, Norte e Centro-Oeste do país. Cinco de suas usinas formam um cluster, gerando economias de escala e sinergias para o negócio.

2

Mix flexível 

Com 22 milhões de toneladas métricas de capacidade de moagem por ano, a Companhia tem a flexibilidade de produzir um mix estratégico de etanol e açúcar para atender as demandas de seus clientes e aproveitar a dinâmica de preços do mercado.

3

Capacidade de cogeração

Além disso, por meio de suas instalações de cogeração, produz energia renovável para atender de forma autossuficiente as necessidades energéticas de suas usinas, além de ter a capacidade de exportar 640 gigawatts-hora, ou GWh, para rede nacional.

4

Modelo vertical 

A Companhia opera por meio de um modelo de negócio verticalmente integrado, atuando em diferentes etapas da cadeia de valor, incluindo plantio, colheita, processamento para armazenamento, logística e vendas. As suas usinas são abastecidas com cana-de-açúcar cultivada em aproximadamente 329 mil hectares de terra, incluindo terras administradas sob acordos de parceria agrícola e terras cultivadas por  terceirizados.

5

No setor desde 2006

A Bunge iniciou as suas atividades no setor sucroalcooleiro em 2006, com atuação no segmento de trading de açúcar no Brasil.

Em sua história de 12 anos no setor sucroalcooleiro, a Bunge Açúcar & Bioenergia aumentou sua capacidade de moagem de cana-de-açúcar, de 2 milhões de toneladas para 22 milhões de toneladas anualmente, por meio de aquisições estratégicas e investimentos em expansão.

6

Aquisições 

Por exemplo, 2007 marcou o início da produção própria de etanol e açúcar da Bunge, com a aquisição da usina Santa Juliana por meio de uma joint venture com o Grupo Itochu. Em 2009, a Bunge adquiriu 60% da usina Monteverde e, em 2011, adquiriu os 40% restantes dessa usina.

 

Fonte: Bunge

7

Cluster Moema

Em 2010, com o objetivo de se posicionar com mais robustez no setor, a Bunge adquiriu 100% do capital social do Grupo Moema. A companhia foi fundada em 1978 na cidade de Orindiúva, Estado de São Paulo, Brasil. A aquisição pela Bunge incluiu cinco usinas: Usina Moema, Usina Guariroba, Usina Ouroeste, Usina Itapagipe e Usina Frutal. Essas cinco usinas atualmente operam como cluster da Moema, gerando economias de escala e sinergias para o negócio.

8

Greenfield e Itochu

Outro marco da Bunge foi a construção de uma unidade greenfield em Pedro Afonso, Estado de Tocantins, uma fronteira agrícola no Brasil. Essa usina, que iniciou as operações em 2010, fazia parte de uma joint venture com o Grupo Itochu, que, na época da aquisição, detinha 20% da usina. Posteriormente, em 2014, a Bunge adquiriu a participação restante nas usinas de Pedro Afonso e Santa Juliana, marcando a saída do Grupo Itochu de seus negócios.

Clique aqui e leia conteúdo do Jornal Valor sobre a proposta de IPO da Bunge ‘sucroenergética’

X