Brasil está no radar da Europa para a produção de beterraba açucareira

A cana será confrontada pelas culturas de milho e de beterraba na produção de açúcar e etanol. O açúcar derivado da cana é responsável por uma fatia de 80% do mercado mundial, enquanto os outros 20% vêm da beterraba açucareira, tipo de produto cultivado na Europa. Os países europeus, principalmente a França, respondem por 80% da produção mundial de açúcar de beterraba. Em relação ao etanol, por sua vez, os Estados Unidos tornaram-se a maior potência deste biocombustível procedente do milho.

Neste contexto, mais de 500 produtores de cana-de-açúcar, beterraba açucareira e de milho de mais de 40 países se reunirão no Brasil, no dia 23 de agosto, durante a 25ª FENASUCRO & AGROCANA (maior feira mundial do setor sucroenergético realizada em Sertãozinho, interior de São Paulo), para discutir se o Brasil pode vir a ser um potencial produtor de beterraba açucareira, levando em consideração as condições climáticas tropicais típicas do país, assim como a produção de etanol a base de milho, nicho de mercado que já trouxe a primeira usina produtora deste biocombustível em Mato Grosso. Isto tudo será discutido no Fórum de Produtores de AgroEnergia, realizado pela Orplana (Organização de Plantadores de Cana), Datagro Consultoria e Reed Exhibitions Alcantara Machado. Representantes de países como África do Sul, Alemanha, Argentina, Austrália, Bélgica, França, Colômbia, Inglaterra, Guatemala, Turquia, Marrocos, Honduras, entre outros, participarão do evento.

Paulo Montabone, Gerente Geral da FENASUCRO & AGROCANA, explica que este evento, inédito na feira, propõe uma atualização dos produtores de agroenergia brasileiros tendo acesso às experiências de outros países com a beterraba e o milho. “Apresentaremos quais são as tecnologias que são empregadas nos países participantes do Fórum, quais os sistemas de plantio, colheita e industrialização, abrindo aos nossos produtores novas oportunidades de mercado. Este evento será um confronto de ideias sobre o que pode ser aplicado tanto no Brasil quanto nos países europeu. É um intercâmbio cultural e de conhecimento”, explica.

Dividida em cinco painéis, a programação do evento conta com a participação de palestrantes estrangeiros que apresentarão aos produtores do Brasil novas tendências de mercado englobando milho, cana e beterraba. Thimoté Masson (economista) e Benoite Rose, ambos da França, conduzirão a palestra sobre a produção de açúcar de beterraba em condições tropicais. Esta cultura ainda é tema de outros debates como, por exemplo, estão os avanços da produção no mundo; como acontece a colheita na Europa e subprodutos. Na área da cana-de-açúcar os temas abordarão: a otimização da produção pelos sistemas de plantio MPB (muda pré-brotada) e meiosi – sendo novidades para os produtores brasileiros; inovações na colheita mecanizada; subprodutos; a gestão de custos sucroenergéticos; políticas públicas para o setor de açúcar e biocombustíveis, entre outros. Os subprodutos do milho e a geração de energia e diversidade de biomassas também serão apresentados durante o Fórum. O evento também contará com a palestrante Martha Betancourt, da Colômbia, que falará sobre Sistema Integrado.

“Acreditamos que este Fórum injetará novas ideias tanto para os produtores brasileiros quanto aos visitantes internacionais para fomentarmos novas oportunidades e nichos de mercado. Ser um produtor de agroenergia é um conceito global que os nossos profissionais precisam incorporar em sua rotina. O setor sucroenergético é competitivo, dinâmico, mas é sempre importante estarmos atentos às novas possibilidades para estarmos à frente, conforme as necessidades globais, sendo criativos, sustentáveis e prósperos”, destaca Montabone.

Para participar de todos os eventos de conteúdo que acontecem na 25ª FENASUCRO & AGROCANA o interessado precisa fazer o pré-credenciamento disponível no site www.fenasucro.com.br . Nesta edição, são mais de 300 horas de programação.