“As especificações do álcool focadas para o mercado mundial”

A formação de um azeótropo na coluna de retificação determina a existência de duas classes de álcool: álcool hidratado (hydrous alcohol) e álcool anidro ou absoluto (absoluter or anhydrous alcohol). As especificações para os tipos de álcool hidratado e do anidro dependem basicamente da aplicação que será dada ao álcool.

Especificamente ao Álcool Anidro Combustível, é mostrado que a especificação americana quanto ao grau alcoólico (99,0% v/v mínimo) foi baseada nos estudos de equilíbrio com misturas de gasolina, etanol e água, enquanto que a brasileira (99,3º INPM, equivalente a 99,6% v/v) não tem consistência técnica e é muito rígida, encarecendo a produção do álcool. É sugerido, então, o abandono do uso do grau INPM, utilizado no Brasil, e a adoção da especificação de 99,3% v/v para o grau alcoólico do álcool anidro no Brasil.

Introdução – Por ser uma molécula muito simples, de fácil obtenção, debaixo peso molecular, contendo oxigênio, miscível com a grande maioria dos líquidos de baixo peso molecular, o álcool etílico (etanol) encontra grande aplicação na natureza, como combustível, solvente industrial, antisséptico, conservante, fabricação de bebidas, etc. Pode ser fabricado pela via bioquímica (fermentação de açúcares), ou pela via química, principalmente, a partir da hidratação do etileno, encontrado neste caso de aplicações restritas, como combustível e ou outros produtos industriais não destinados ao consumo humano.

É um líquido, der odor aromático, de sabor ardente e por ser muito higroscópico retira a umidade das mucosas. É bem conhecido o uso humano do etanol na forma de bebidas como cerveja, vinhos, licores, destilados e derivado. Ingerindo em pequenas doses e diluído, primeiro reanima (excita) o organismo humano, mas com a ingestão continuada em doses repetidas, produz queda da temperatura do corpo, já que atua como narcótico, conduzindo a embriaguez e, finalmente ,a um estado de prostração.

Tomando puro, ou diluído em grandes quantidades, é tóxico. É solúvel na água em todas as proporções, sendo o mesmo ávido pela água, qualidade esta que o faz ser um excelente agente para impedir a putrefação, pois desidrata os tecidos em contato com o mesmo, sendo, então, usado na conservação de alimentos, frutas, impedindo a sua fermentação.

É um solvente fortemente polar devido ao radical hidroxila (HO) e por isso tem grande afinidade com a água, numerosas substâncias de estrutura polar, compostos orgânicos e inorgânicos, dissolvendo também essências, hidrocarbonetos, graxas, etc.

O álcool obtido por fermentação de açúcares, é então separado do vinho que lhe deu origem, por destilação e em seguida concentrando até perder a água consigo arrastada.

Na coluna de retificação, à medida que os vapores alcoólicos vão subindo os estágios (pratos) de concentração, a concentração dos vapores alcoólicos vai aumentando até atingir (teoricamente0 um ponto em que a partir daí não é mais possível obter concentração, pois os vapores produzidos passam a ter a mesma concentração do líquido que lhes está dando origem; este ponto é ponto é chamado de “azeótropo” e correspondente a uma concentração máxima de 97,1 % em volume (v/v), equivalente a 95,5% em massa (m/m), sendo o restante, água.

A partir daí, se for desejado maior concentração , é preciso utilizar alguma técnica de desidratação do álcool, estando disponível atualmente vários processos, os mais usados sendo pela adição de um terceiro componente como o ciclo-hexano que irá formar um outro azeótropo de ponto de eb ulição mais baixo (destilação azeotrópica), ou pela adição de etileno-glicol ou glicerina (destilação extrativa), ou ainda através adsorsão em “zeólitos” (material microporoso, em “bolinhas”, semelhante a uma cerâmica), sendo a água depois extraída do zeólito pela aplicação de vácuo, processo este denominado “peneira molecular”.

A formação do azeótropo determina então a divisão dos tipos (classes) comerciais de álcool, em álcool hidratado, quando o álcool é concentrado até basicamente 96,0% v/v (93,8% m/m), e álcool anidro ou absoluto, na concentração mínima de 99,0% v/v (98,4% m/m), portanto com teor de água menor que 1%. A desidratação somente é aplicável quando o processo em que o álcool for utilizado não admitir a presença de água, devendo-se considerar que o processo de desidratação pode, além do custo adicional, agregar algum residual do produto desidratante utilizado, deteriorando, conforme o uso, a qualidade do produto.

X