Angola: usina de cana-de-açúcar suprirá metade da demanda de açúcar do país

biocom2Única usina a produzir etanol, açúcar e energia elétrica através da cana-de-açúcar na Angola, a Biocom possui seu pólo agro-industrial no município de Malanje, em Cacuso.

Nesta safra a unidade que possui área produtiva de 80 mil hectares, moerá 530 mil toneladas de cana-de-açúcar, produzindo 47 mil toneladas de açúcar e 16 milhões de litros e etanol. Além disso, a usina deve gerar 155 mil megawatts de energia elétrica.

Leia mais: Angola anuncia projeto sucroenergético para 2021

biocom3O objetivo da Biocom é produzir 256 mil toneladas de açúcar até 2020, quantidade que servirá para o consumo de mais de 50% da população.

Leia mais: Sabe quanto produziu a usina da Odebrecht na Angola?

De acordo com o diretor-adjunto da usina, Luís Bagorro, com o aumento da capacidade de produção, o projecto atinge sua fase de maturidade, o que permitirá que os consumidores tenham um quilo de açúcar Kapanda — marca utilizada pelo grupo no varejo — a um preço razoável.

— Sentimos orgulho em fazer parte do desenvolvimento do país e consecutivamente na diversificação da economia nacional. Com a produção e comercialização do açúcar Kapanda, os angolanos passam a consumir um produto com garantia de qualidade e ao menor preço, disse.

biocomBagorro determina que a produção de açúcar nesta primeira fase, que culmina em 2020/2021, vai ser exclusivamente para o consumo interno.

— Queremos com a nossa melhoria de serviço garantir ao país uma redução considerável de importação de açúcar.

Produção

Para a safra 2020/21, quando atingir a capacidade máxima de produção da primeira fase, serão produzidos 256 mil toneladas de açúcar, 235 mil megawatts de energia eléctrica e 33 milhões de litros de etanol.

O açúcar produzido pela Biocom é destinado ao consumo do mercado interno. Já o etanol hidratado tem servido a indústria nacional de produtos de limpeza e de bebidas espirituosas, tendo reduzido em mais de 60 por cento as importações.

biocom4A energia eléctrica é negociada com a Empresa Nacional de Energia de Angola (RNT), estando atualmente fornecer o município de Cacuso e parte de Luanda.

X