Alta do dólar provoca disputa pela sucata de ferro gusa

A recente alta do dólar gera problemas para os fornecedores de matéria-prima para o setor sucroalcooleiro. Atraídas pela cotação da moeda americana, as produtoras de ferro gusa, usado pelas siderúrgicas, incrementaram as exportações. Com menos matéria-prima disponível, as siderúrgicas passaram a correr atrás de sucatas do material no mercado interno.

Ocorre que essas sucatas também são empregadas pelas fundidoras que fornecem, por sua vez, matéria-prima para fabricantes de turbinas e mesmo peças para plantas industriais de fábricas de açúcar e de álcool. “Estamos tendo de disputar uma sucata que até bem pouco tempo atrás sobrava no mercado”, lamenta Mário Rubens Pereira, gerente de fundição da Pama Fundição, de Sertãozinho, no interior paulista.

Segundo ele, a disputa tem prejudicado a aquisição de sucata, adicionada ao ferro gusa no processo de fundição. As siderúrgicas, diz, têm seus motivos para reclamar da alta do gusa. Do começo do ano para cá, a tonelada do material passou de R$ 215 para R$ 560.

X