África abriga projetos inovadores de biocombustíveis avançados, mostra relatório da ONU

Projetos inovadores de biocombustíveis com base em culturas não-alimentares estão sendo criados na África, de acordo com um novo relatório da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD).

O relatório, chamado ‘Second-Generation Biofuel Markets: State of Play, Trade and Developing Country Perspectives’, diz que estas iniciativas estão acontecendo principalmente na Leste e Sul da África.

De acordo com o estudo, a produção e o comércio de biocombustíveis de segunda geração na África são caracterizados por sua pequena dimensão e pela existência de nichos de mercado.

O baixo preço atual do petróleo, as dificuldades encontradas na implementação de projetos anteriores, assim como o maior nível de investimento necessário para o desenvolvimento empreendimentos de combustíveis avançados não apontam no sentido de um desenvolvimento em grande escala no curto prazo, o relatório destacou.

No entanto, dois tipos principais de projetos de biocombustíveis de segunda geração podem ser encontrados no continente – a indústria de transportes e usos domésticos, como na cozinha. Além disso, o uso do bagaço para gerar eletricidade poderia ser considerado como uma prática relacionada ao biocombustível avançado adicional, que aumentou na África.

O transporte é um dos maiores mercados para os biocombustíveis africanos com países como Angola, Etiópia, Quénia, Malawi, Moçambique, África do Sul e Sudão adotando os mandatos de mistura introduzidos. Considerando que, biocombustíveis de primeira geração têm sido usados ​​principalmente para atender a essa demanda, vários projetos têm sido desenvolvidos nos últimos anos.

De acordo com o relatório, ‘Project Solaris’ atualmente implementado na África do Sul, por iniciativa da Boeing, South African Airways e outros parceiros é um exemplo de um projeto inovador para promover o desenvolvimento de biocombustíveis de segunda geração no setor dos transportes Africano.

O projeto visa produzir combustível jet-bio usando Solaris, uma variedade do tabaco que é rica em energia e isenta de nicotina do tabaco. Em dezembro de 2014, 50 hectares de Solaris haviam sido plantados na província de Limpopo e combustível misturado poderia ser usado pela companhia aérea tão logo quanto em 2017.

X