Açúcar: Entenda os motivos dos valores recordes no Brasil e em NY nesta semana

nyse-trader-explains-the-dangers-of-anonymous-trading-in-dark-poolsAs incertezas sobre a interferência climática na safra brasileira e os entraves produtivos na Índia continuam a favorecer os contratos futuros de açúcar na bolsa de Nova York.

Somente nesta terça-feira, dia  28, os contratos com entrega para julho deste ano valorizaram 1,69%, com valor de 19,81 cents por libra-peso.

Acompanhe

Índia

A aplicação de barreiras alfandegárias  para frear as exportações indianas da commodity, medida imposta pelo governo para prevenir um possível aumento doméstico de preços, aumentou a insegurança do mercado quanto a disponibilidade do produto.

Todo o açúcar comercializado para fora das fronteiras indianas será taxado em 20%.

Entenda mais: Preço do açúcar atinge patamar recorde em NY

Brasil

A elevada precipitação nos canaviais do Centro-Sul paralisou a colheita em diversas unidades.

Em último levantamento da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), a segunda quinzena de maio registrou moagem 19,97% inferior em comparação com igual período no ciclo 2015/16.

Como reflexo, a produção de açúcar caiu 14,98% na quinzena.

Leia mais: Moagem de cana da segunda quinzena deve cair 5,1%, prevê INTL FCStone

Acompanhe abaixo os resultado da produção canavieira no Centro-Sul no período de 16/05 a 01/06

cssafra2qma

Comportamento – Julho 2016

A confirmação do déficit tem favorecido a alta do preço dos papéis.

Os contratos para julho deste ano são a primeira tela da commodity e por este motivo sentem mais os reflexos do sentimento de traders quanto ao mercado.

Houve valorização de 39% em relação ao valor mais baixo dos papéis nos últimos dois meses, quando estes atingiram 14,19 cents/lb no dia 14 de março.

No trimestre os papéis valorizaram 23% nos últimos três meses, quando em 28 de abril estes eram negociados a 16,06 cents/lb. (ver gráfico abaixo)

icenyrec2

Brasil

No mercado doméstico o açúcar continua a registrar altas históricas.

A saca de 50 quilos, ultrapassou o valor recorde de 87 reais nesta última sexta-feira, dia 24, quando atingiu os 87,40 reais.

Após fechar em alta por 22 dias consecutivos, a primeira cotação da semana, registrada nesta segunda-feira, dia 27, fechou em queda de 0,13%, negociada a R$ 87,29.

Nesta terça-feira o produto voltou a recuperar força no mercado spot e fechou em  R$ 87,62, alta de 0,38%.

Baixa liquidez

Segundo pesquisadores do Cepea, a posição de comercializadores de usinas em manter os preços em alta contribuiu para  evitar possíveis desvalorizações, que poderiam acontecer em decorrência da normalização da colheita de cana-de-açúcar e consequentemente da produção de açúcar.

Acompanhe:

Segundo a plataforma de estatísticas do Portal JornalCana, o menor valor registrado neste ano foi de R$ 74,86 e a média da saca ficou em R$ 79,53. O valor de desta terça-feira foi o maior registrado em toda a série histórica do Indicador, que possui 13 anos.

cepejhissem11

 Para visualizar este e outros indicadores na plataforma interativa clique aqui.


X