Acordos contemplam áreas de biocombustível e energia

As áreas de biocombustíveis, gás natural e energia elétrica foram as mais importantes dos acordos comerciais , chamados de “memorandos de entendimento” assinados por representantes dos governos brasileiro e português, além de empresas dos dois países em evento realizado nesta terça-feira, 28, na Santa Casa de Misericórdia, após a IX Cimeira Brasil-Portugal. Participaram da cerimônia o presidente Lula, o primeiro-ministro José Sócrates Carvalho, ministros de Estado, o governador da Bahia, Jaques Wagner, o prefeito João Henrique Carneiro e o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli.

A empresa portuguesa Galp Energia, a Petrobras Biocombustíveis e o governo do Estado, por exemplo, firmaram acordo pra estudar a viabilidade de implantação de pólo na Bahia para a produção de óleos de palma e girassol para a produção de biodiesel. A Galp e a estatal brasileira estudam a possibilidade de formação de joint-venture para a implantação do pólo. O projeto, dividido em duas fases, prevê a produção anual de 300 mil toneladas de óleo vegetal no Brasil e de 250 mil toneladas de biodiesel de segunda geração, metade em Portugal e outra em local que ainda será definido.

Outro acordo envolve a Petrobras com a empresa lusa EDP Energias do Brasil e estabelece a criação de parcerias na realização de estudos para projetos de geração de energia a partir de usinas hidrelétricas, eólicas e termoelétricas movidas a gás natural e biomassa como bagaço de cana. O memorando tem o prazo de validade de dois anos. Ainda na área energética, há também projetos com a Petrogás, para exploração de gás em águas rasas nas bacias de Santos, Espírito Santo e Campos.

Também foi contemplada a área de infra-estrutura: a Construtora Casaes e o Grupo Egesa pretendem estudar a viabilidade de parceria para a participação na construção de rodovias, estação de tratamento de água e outras obras públicas em sistema do Parceria Público-Privada (PPP). Especificamente beneficiando Salvador, um protocolo assinado entre brasileiros e portugueses, reúne os grupos Imocon e Hilton que garantiram a construção de um hotel de luxo na cidade baixa.

As parcerias foram elogiadas pelo presidente Lula. Ele considerou como portão de entrada da União Européia para o combustível brasileiro, os acordos envolvendo a produção de biocombustíveis.

“Nos últimos anos ampliamos as relações financeiras entre Brasil e Portugal, que é hoje o sétimo maior investidor em nosso país nas áreas de telecomunicações, turismo e energia, com investimentos de aproximadamente US$ 8 bilhões”, disse.

X