Abag defende cluster agroenergético no Noroeste de SP

A implantação de um cluster para o setor agroenergético na região Noroeste paulista, a partir de produtos da cana, e com a produção de alimentos, a partir das reformas em canaviais, foi defendida ontem pelo professor da Fundação Getúlio Vargas e diretor da Associação Brasileira de Agribusiness (Abag), Luiz Antonio Pinazza, durante o 1º Encontro Regional do Agronegócio, realizado no Ipê Park hotel, em Cedral.

Para ele, o papel do governo federal em relação à crise financeira é oferecer crédito para mover a economia e não deixar que projetos sejam colocados na gaveta. Ele disse que também é necessário que o governo federal adote um discurso uníssono para a agropecuária, numa alusão aos diferentes posicionamentos dos ministérios.

Ele classificou como bons os fundamentos atuais da economia brasileira, destacando que o País conta com US$ 200 bilhões em recursos, tem a balanças comercial equilibrada e que a inflação está sob controle. Está com uma musculatura mais resistente”, disse.

A economia brasileira vai ser afetada pela crise financeira internacional, mas de maneira diferente do que está o ocorrendo com outros países e, de acordo com Pinazza, o excesso de liquidez mundial permitiu que recursos de diversas origem buscassem mercados para aplicação como o das commoditties metálicas e agrícolas.

O resultado, citou como exemplo, foi que a Bolsa de Chicago movimentou, em uma das ocasiões, o equivalente a 9 vezes a safra mundial de milho e, em outra, 19 vezes a safra mundial de soja, provocando o aumento de preços dos produtos agrícolas. Agora, a situação é diferente com a queda do petróleo, menor interesse em produção de etanol a partir de milho e com a baixa nas cotações de grãos.

Ele também destacou a importância do fornecimento de informações de qualidade para nortear os produtores rurais brasileiros e a crescente necessidade de certificação, preservação ambiental e responsabilidade social. Durante a palestra, o diretor da Abag destacou o crescimento do agronegócio brasileiro nos últimos anos com produção recordes, mas que nesta safra não devem ocorrer avanços em produção. Ele cobrou maior organização do setor de produção agrícola.

Grupos temáticos

Ontem, os técnicos e produtores rurais participantes do Encontro foram divididos grupos temáticos para que fossem tiradas propostas sobre Agricultura Familiar, Bioenergia, Estratégia de Mercado, Arranjos, Produtos e Territórios, Organização e Implantação dos Interesses Agrícolas, Logística e Infra-estrutura, Agricultura e Meio Ambiente. Um resumo das propostas vai ser entregue pela manhã ao secretário de Agricultura do Estado de São Paulo, João de Almeida Sampaio, que participa do evento.

X