140 usinas do Centro-Sul devem encerrar safra este mês

Estimativas indicam que aproximadamente 140 unidades produtoras devem finalizar o processamento de cana na safra 2010/2011 até o final deste mês, número bem superior às 32 usinas em igual período do ano anterior (2009). Até 15 de novembro, segundo a Unica, 76 usinas já haviam encerrado a moagem no Centro-Sul, contra apenas 17 unidades até a mesma data em 2009.

A desaceleração da moagem é atribuída ao número de unidades produtoras que estão finalizando suas operações nessa safra e a redução progressiva da moagem pelas unidades que ainda estão operando, reflexo direto da menor disponibilidade de matéria-prima.

A quantidade de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR) atingiu 134,58 kg por tonelada de cana-de-açúcar na primeira quinzena de novembro, 11,01 kg inferior ao valor obtido nos últimos 15 dias de outubro. A redução já era esperada, pois, conforme mencionado na última atualização de safra divulgada pela UNICA em 17 de novembro, o ATR cana no Estado de São Paulo era declinante a partir de novembro.

No acumulado desde o início da safra, a concentração de ATR aumentou 7,36% relativamente ao mesmo período de 2009, totalizando 142,04 kg por tonelada de matéria-prima.

Apesar do recuo acentuado do ATR quinzenal, houve um surpreendente aumento no percentual da cana colhida destinado à produção de açúcar. Do volume total de cana processado na primeira quinzena de novembro, 46,97% foi utilizado para a fabricação de açúcar.

De acordo com Diretor Técnico da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA), Antonio de Padua Rodrigues, esta situação é absolutamente atípica. “Em condições normais, a queda do teor de açúcares na matéria-prima atua como uma restrição natural à produção de açúcar, ainda que os preços sejam convidativos. Porém, nesta quinzena, uma conjunção de fatores incentivou as usinas a reduzirem a moagem, permitindo um aumento do mix para a fabricação de açúcar, mesmo com o baixo valor de ATR”, declarou Rodrigues.

Entre estes fatores, destacam-se a baixa disponibilidade de cana para moagem e a vigência de preços mais remunerados para o açúcar relativamente ao etanol. Além disso, as cotações internacionais do açúcar sinalizam preços futuros ainda mais altos para contratos com vencimentos nos primeiros meses de 2011, comparando-se com vencimentos mais distantes.

“Hoje, o mercado paga um prêmio maior para entrega em março. Isso atuou como um forte estimulo à produção de açúcar, ainda que as condições técnicas não tenham sido ideais para a fabricação do produto”, conclui Rodrigues.

A maior parte da cana colhida permanece direcionada à produção de etanol. No acumulado desde o início da safra até 15 de novembro, 54,98% do total de cana-de-açúcar processada destinou-se à fabricação de etanol.

X