10º Congresso de Agribusiness da SNA começa hoje, no Rio

O Sebrae-RJ realiza, hoje (25) e amanhã, na Confederação Nacional do Comércio, Rio de Janeiro, RJ, o 10º Congresso de Agribusiness da Sociedade Nacional de Agricultura, que terá como tema O Novo Agronegócio Brasileiro.

O ex-ministro e atual coordenador do Centro de Agronegócio da Escola de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV Agro), Roberto Rodrigues, falará, na palestra de abertura, sobre o panorama e perspectivas do agronegócio brasileiro.

Para ele, o momento é de extremo cuidado para o produtor. “Ele deverá plantar tudo o que for possível com recursos próprios e crédito barato, sem arriscar o plantio com baixa tecnologia, pois um contratempo trará prejuízo ainda maior.” O ex-ministro teme ainda que a crise se alastre e tenha reflexos também nos preços dos alimentos.

Convidado do sexto painel (“As questões do Meio Ambiente”), o ex-ministro da Agricultura do governo Geisel, Alysson Paolinelli, que hoje atua como consultor da empresa Listen, vê um cenário de incertezas e aponta caminhos: “Nós vamos plantar uma safra cara sem saber o que vamos colher em matéria de preços. Eu acho que o governo deveria recompor o preço mínimo dessa safra face os custos de produção de hoje. O Brasil também deveria adotar uma posição protecionista, assim como outros países fazem”.

Na opinião de Arlindo Moura, diretor-presidente da SLC Agrícola, que participa como palestrante do segundo painel do congresso (“Produção de Alimentos”), “a redução da produção agrícola brasileira neste ano-safra é fato. A escassez de financiamentos, os altos custos com fertilizantes e commodities em declínio levam o pequeno e médio produtor à redução da área plantada, da adubação e da tecnologia empregada no setor. Para sobreviver às oscilações do mercado, o produtor deve focar na otimização dos custos de produção.”

Integrando o quarto painel (“Gestão do Novo Agronegócio Brasileiro”), Sérgio Bueno, diretor da empresa Agrícola Rio-Galhão destaca que “a atual crise financeira é uma crise de confiança no sistema bancário global, que traz conseqüências extremamente danosas para o agronegócio brasileiro. A mais importante é a queda brusca no preço das commodities agrícolas.

Os custos de produção subiram algo em torno de 50% nesta safra para as principais culturas, tais como a soja e o milho. A fortíssima restrição ao crédito, principalmente internacional, que pega o agronegócio brasileiro às vésperas do plantio, gera impacto direto no resultado da safra 2008/2009″.

Programação

Em seis painéis, autoridades, empresários e representantes de diversas instituições debaterão temas de interesse, entre eles, a infra-estrutura de transporte e armazenagem; o mercado de energia e agroenergia; compra de terras; novas fronteiras agrícolas (com destaque para a região do Mapito, formada pelos estados do Maranhão, Piauí e Tocantins), meio ambiente e sustentabilidade de produção ligada à certificação e rastreabilidade, entre outros assuntos.

Ao final do evento, será realizada a cerimônia de entrega dos prêmios Destaques SNA e A Lavoura, às personalidades que contribuem direta ou indiretamente, e de maneira relevante, para o desenvolvimento do setor.

X